Wednesday, March 30, 2016

Monday, March 28, 2016

Sunday, March 27, 2016

Friday, March 25, 2016

Thursday, March 24, 2016

Thursday, March 17, 2016

Serie Diario



Porque sou coisa nenhuma, nada, nada
tão nada quanto o nada pode ser
sou só coisa arriza, desfolhada
da própria humanidade: não sei viver.

Mortalha de uma paixão descarnada
Amor nao tenho, Amor não tenho a haver
porque sendo breve, frágil, nada, nada
não me vês: e não posso acontecer.

Porque sou o nada, o zero absoluto;
o nulo, o vazio: a morada da ausência,
de éter, de pranto, de luto trespassada,

sou apenas a soma do nada, o produto
de uma aberração da consciência.
E não posso ser mais nada do que nada.